top of page

Participantes do curso Cinema e Jornalismo 3 finalizam suas produções; lançamento do e-book acontece em 17 de maio

Os 49 estudantes e recém formados em graduações de Jornalismo, Cinema, Multimeios e Audiovisual concluíram a 3ª edição do curso Cinema e Jornalismo: Luzes sobre São Paulo com a realização de 5 mini documentários temáticos sobre a cidade. Diplomação será em 17 de maio, na Sala Sérgio Vieira de Melo da Câmara Municipal, com lançamento de e-book do curso. Evento integra as atividades da Semana de Leitura da cidade.



A proposta deste módulo do Projeto Repórter do Futuro é jogar luz sobre as muitas questões que envolvem a vida cotidiana em São Paulo a partir de obras audiovisuais disponíveis na plataforma da SPCine. Com isso, os estudantes são desafiados a refletir sobre novas pautas e criar suas próprias produções e narrativas jornalísticas e audiovisuais.


Nesta terceira edição, os participantes foram convidados a assistir filmes e participar de entrevistas coletivas com cineastas, especialistas e pesquisadores sobre temas e pautas que iluminam a vida da cidade. E como conclusão da formação, são estimulados a produzir e publicar obras audiovisuais a partir das temáticas suscitadas nos encontros.


A atividade é realizada pelo Instituto de Pesquisa, Formação e Difusão de Políticas Públicas e Sociais (IPFD), em parceria com a OBORÉ e a Secretaria Municipal de Cultura da Prefeitura Municipal de São Paulo.


Obras produzidas estão hospedadas no Youtube:


Mooca: Lugar em que se faz casa. O documentário investiga o peculiar bairro da Mooca, situado na Zona Leste da cidade de São Paulo, abordando o aspecto tradicional do território em contraste com o atual processo de gentrificação e a transformação imobiliária que a região tem passado nos últimos anos. Produção de Alessandra Santos do Nascimento, Giovanna Aureliano Passos, Beatriz Barboza da Silva Lima, Kethilyn Mieza Sobral, Rayanne Carla de Melo Silva, Maria Clara Pereira de Oliveira, Isabella Nascimento Siqueira, Ana Gabrielly Souza De Carvalho, Litália Barros Araújo, Rayanne Carla de Melo Silva, Naiara Ribeiro Santana e Júlia de Amorim Pelegrino.


Vai-vai e as Raízes do Bixiga: Uma história entrelaçada. Este documentário mergulha na história do bairro do Bixiga, um dos mais emblemáticos de São Paulo, para explorar suas ricas raízes culturais e o legado vibrante da Escola de Samba Vai-Vai. Com uma narrativa, com enfoque no Fernandinho Penteado, e imagens envolventes, o filme nos transporta para um dos corações desta comunidade, revelando a influência significativa do carnaval e da Vai-Vai na vida do bairro. Produção de Thayná Tosta, Cendy Domingues, Luiz Guilherme Lima e Uesley Durães.


Ruth Escobar: teatro, memória e resistência. Inaugurado em 1963, o Teatro Ruth Escobar foi idealizado pela homônima atriz e produtora Ruth Escobar e se tornou um espaço de referência da cidade de São Paulo. No documentário ‘Ruth Escobar: teatro, memória e resistência’, as histórias do passado e as percepções do presente se encontram para contar a importância do espaço, marco da conjuntura política, social e histórica do Brasil. No curta, ainda, a trajetória e a figura de Ruth Escobar são, além dos registros de um tempo marcado pelo autoritarismo, são temas tratados pelos personagens do documentário que trazem questionamentos a respeito dos desafios para a sobrevivência da cena teatral e artística. Produção de Felipe Velames, Thaís Helena Moraes, Gabriel Eid, Luana Machado, Isabella Marin, Ester Caetano, Gabriela Varão, Roberta Costa, Laysa Vitória, Carolina Rocha, Cadu Guarieiro, Juliana Neris e Aldrey Olegário.


Mulheres do Jaraguá. Dentro e fora da Terra Indígena Jaraguá, quatro mulheres resistem de diversas formas na luta pela preservação da cultura e conquista de direitos do povo Guarani Mbya. O território, localizado na zona norte de São Paulo, reúne pelo menos seis Tekoas que constituem a menor Terra Indígena demarcada no Brasil. É nesse lugar que, em 1980, a primeira cacique mulher do país, Cacica Jandira, iniciou o processo de reconhecimento do território. Produção de Ana Carolina Rossini Augusto, Ana Luiza Cruz Muniz, Isadora Maria Camello, Vanessa Centeno Ferreira, Alexandra de Araujo, Bruna Viana de Carvalho, Gabriel Arouca Leão, Kassiane Ribeiro, Felipe Kosuta de Azambuja, Gabriela Santos Pereira, Beatriz Yamamoto, Geraldo de Melo Campos, Maria Elisa Tauil Silva, Fagner Ramos e Jessica Cristina Alves.


O verde no cinza. A obra traz uma narrativa analítica sobre a cidade e suas áreas verdes e busca levantar reflexões acerca de como uma cidade, que atingiu um marco considerável de áreas arborizadas em 2023, - mais de 50% de seu território - não transparece nessas áreas visualmente? Onde estão as áreas verdes de São Paulo? Ainda no documentário, é dito que as periferias são os locais que mais abrigam essas áreas, mas salienta que essa distribuição é desigual, localizando-se em pontos isolados dessas regiões. Em contramão a esse sistema, somos apresentados ao projeto Cidade Sem Fome, uma ONG e horta urbana criada e pensada na ecologização e inclusão social de pessoas financeiramente vulneráveis. Localizada em São Mateus, zona leste da capital, o local é um contraste da vasta e acinzentada selva de pedra que é a cidade paulistana. Produção de Fábio de Cácia, Herbet Brandão, Thiago Baba, Larissa Mariano, Fabio Santiago e Karine Gomes.


Confira:


Sobre o curso


Utilizando a metodologia do Projeto Repórter do Futuro, o curso realizou 5 encontros de formação em que o ponto de partida de cada encontro foram obras cinematográficas disponibilizadas na plataforma da Spcine.


Concomitante aos encontros, os participantes foram organizados em grupos a fim de produzirem peças audiovisuais e/ou multimídia sobre a cidade de São Paulo. Todos os grupos foram acompanhados pelos coordenadores do curso.


Ao final, as obras produzidas irão compor o e-book da edição e serão veiculadas no programa Repórter do Futuro, da TV Câmara Municipal (em breve!)



Confira como foram os encontros de formação:






1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page